Diversidade cultural na escola é fundamental

A importância de reconhecer as identidades na escola para pregar a tolerância e a diversidade. Esse foi um dos principais temas abordados na palestra: “Diversidade cultural, religiosa e ética: pluralidades e singularidades da identidade da escola”, ministrada por Roseli Fischman, professora de pós-graduação da Faculdade de Educação da USP. A palestra aconteceu durante o Saber 2004.


“Quando se fala em identidade da escola, não se leva em conta a pluralidade cultural presente em todas as instituições brasileiras”, diz. Segundo ela, a história do Brasil mostra que até mesmo as políticas públicas sempre trabalharam para homogeneizar a escola, anulando as perspectivas de diversidade.


Para a educadora, os estudantes ainda estão em processo de formação de sua personalidade, e a presença das diferenças permite que ele obtenha mais recursos para sua formação de vida. Questão de contato. “Todos nós reagimos diante do meio social. Essas crianças precisam aprender a conviver e aprender com as diferenças”, afirma.


Roseli propõe que a escola implemente projetos de resgate das origens dos alunos. Segundo ela, a primeira das atividades deve resgatar a memória dos alunos e de suas famílias, a fim de saber a história de cada um, suas origens, sua infância, onde viveu, quais eram seus hábitos.


“Uma das formas de trazer a tona as histórias de vida é trabalhar com objetos pessoais dos estudantes e dos próprios professores”, diz a educadora. Roseli destaca que os educadores também devem participar dos resgates, já que eles também formam o ambiente escolar.


Outro aspecto bastante importante para ser trabalhado são as religiões das crianças. “Saber qual é a religião do aluno, se ele possui uma, pedir que as crianças realizem pesquisas sobre o assunto é uma ótima forma de fazer com que eles conheçam e respeitem outras culturas”.


Após conhecer os alunos presentes na escola, o próximo passo seria conhecer a história da escola. “Porque ela tem esse nome? E essa arquitetura? Quando foi construída? Qual é sua história? Esses são aspectos importantes para que a criança reconheça o espaço no qual trabalha”, afirma Roseli.


Para a educadora, no entanto, além dos trabalhos oficiais que lidam com a diversidade, é importante também que os conceitos de respeito à diferença sejam trabalhos naturalmente, no dia a dia. “Quando você diz para um aluno que se ele não estudar ele vai ser um lixeiro, automaticamente você passa a idéia de que o lixeiro é um ser humano inferior”, diz.


A educadora destaca a importância que todos os alunos, sem exceções, participem ativamente das discussões. “Se um aluno é tímido e se cala na hora das discussões, sem receber um incentivo, ele acaba se tornando um excluído”, alerta.